Ora Doci Ora Margos

1rst Album : Ora Doci Ora Margos (2014)

Canta o conflito nas relações humanas com uma emoção tal, que é capaz de prender e arrastar qualquer um, neste enredo das suas vivências (e nossas também). A versatilidade da sua voz, plena de médios e suaves graves, cativam até o ouvido e/ou a sensibilidade dos mais distraídos. A voz parece vir-lhe das profundezas da alma. Arrepia e contagia. Apetece deixá-la entrar na nossa intimidade. Escutá-la de olhos fechados. A potente, doce e cristalina voz, carrega as duas naturezas que a viram crescer. Através do seu canto, é fácil imaginá-la a deslizar quão água cristalina das ribeiras, contornando obstáculos à sua passagem - como a sua vida “Ora Doci Ora Margos” -, em um desafio na caminhada em direção ao mar.

A dolência, que empresta a determinadas músicas, faz-nos lembrar alguns traços melódicos e profundos do Blues. A voz é cheia e plena de musicalidade. É de uma doçura encantatória magnetizante.

A sua interpretação demonstra as enormes potencialidades humanas em termos de produção sonora através desse poderoso – e por vezes misterioso - instrumento que é a voz. A alegria de cantar, numa entrega total, está presente nos 12 temas que compõem o magnífico disco.

Transporta-nos para uma vertente de fusão das sonoridades contemporâneas, passível de romper todas as fronteiras e se projetar no mundo. Este é um disco alegre e ao mesmo tempo profundamente dolente e intimista, onde a suavidade nos jogos instrumentais reforçam as potencialidades harmónicas da voz de Élida Almeida.

O primor dos arranjos, ora plenos de suavidade melódica, ora embebidos de ritmo, é surpreendente. É impossível resistir às cadências. É de uma criatividade sublime e arrojada. Uma produção pautada pela discrição no sentido de deixar brilhar a magnífica voz de Élida Almeida.

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon